+55 (45) 3529-2045 plataformasri@pti.org.br

Brasileiros estão mais preocupados com ataques cibernéticos

26/06/19
sri_adm

Brasileiros estão mais preocupados com ataques cibernéticos

Ataques cibernéticos não poupam ninguém. Atualmente, só no Brasil, 85% da população já foram vítimas ou conhecem alguém que passou por alguma fraude virtual.

Essa é a principal informação da 14ª edição do Unisys Security Index. É o estudo global que mede as percepções dos consumidores com segurança.

Dentre as respostas, o recebimento de spam (54%) ou e-mails com golpes (42%) foram os mais citados.

Depois, vem fraude com cartão bancário (39%) e mensagens falsas no WhatsApp (36%). Por fim, dentre as maiores incidências, roubo de identidade (19%).

O Unisys Security Index 2019 entrevistou mais de 13 mil consumidores em 13 países. Além disso, no Brasil, foram mais de mil respondentes, entre fevereiro e abril de 2019.

Preocupação e ataques cibernéticos

O alto número de ataques cibernéticos acaba por causar preocupação nos brasileiros.

Assim, 76% das pessoas estão preocupadas com roubo de identidade, enquanto 75% estão muito ou extremamente preocupados com fraude bancária.

Além disso, a maioria dos participantes também relatou preocupação com ataques de hackers e vírus cibernéticos (69%). Além da segurança das compras online (65%).

“[O estudo] mostra que a sensação de insegurança está aumentando no Brasil”, disse Eduardo Almeida, presidente da Unisys para América Latina.

“Notoriamente, os níveis de preocupação com ameaças online são os mais altos. Acompanham o grande número de vítimas de ataques cibernéticos nos últimos anos”.

Proteção de dados

Por fim, outro destaque inclui a percepção sobre a proteção de dados pessoais, como a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Afinal, hoje, 59% dos brasileiros estão apenas um pouco confiantes de que a LGPD vai garantir a segurança de seus dados mantidos por empresas e governos.

“Esses resultados enfatizam que a proteção de dados ainda não é uma questão estabelecida aqui no Brasil. Precisa ser repensada por governos, empresas e consumidores”, finaliza Almeida, da Unisys.

 

Fonte: Inova.jor