+55 (45) 3529-2045 plataformasri@pti.org.br

Britânicos testam robô inteligente contra lesmas na lavoura

15/06/20
sri_adm

Britânicos testam robô inteligente contra lesmas na lavoura

Pesquisadores da Inglaterra estão desenvolvendo um sistema com uso de câmeras multiespectrais, inteligência artificial, robôs e pulverização de precisão para combater lesmas e até mesmo nematoides.

A iniciativa Slugbot, que acaba de receber uma doação da Innovate UK, é liderada pela Dra. Jenna Ross, uma engenheira agrônoma especialista em moluscos que atua no Chap, um centro de inovação agtech no Reino Unido.

O projeto combina as expertises da Small Robot Company (SRC), uma empresa britânica de agrobótica; a COSMONiO, uma startup de inteligência artificial; e a empresa agrícola de Devon, além da Lee Farm Services, que fornece a área para os testes de campo.

Na Fase 1, o grupo de empresas se concentrará no desenvolvimento de um recurso de detecção de lesmas de IA, incluindo imagens multiespectrais. A segunda fase incluirá o robô “Tom” da Small Robot Company para detectar os insetos tanto por amostra quanto individualmente.

A imagem móvel de lesmas e materiais de superfície de campo em condições de estufa está prevista para o outono de 2020 e a detecção e o mapeamento de infestações por lesmas devem ser entregues na primavera de 2021.

A Fase 3 se concentrará no desenvolvimento de pulverização de precisão, fornecendo uma solução de tratamento de lesmas em campo com o robô de tratamento de culturas ‘Dick’ da SRC, com protótipo para o outono de 2021.

O projeto pode evoluir para identificação e combate a nematoides que são uma das principais pragas em diversas culturas como soja, cana de açúcar e outras. Lesmas, caracóis e nematoides causam milhões de reais em prejuízo todos os anos.

Assinatura da lesma

Em uma entrevista à Agfunder, Ben Scott-Robinson, da Small Robot Company, disse preferir ter um robô de detecção trabalhando em conjunto com um robô de pulverização.

“Pode ser que as lesmas, embora não sejam incrivelmente rápidas, possam ser muito rápidas”, alertou. Se for assim, a empresa terá de incorporar a detecção, o mapeamento e a pulverização em um só robô, o que é mais difícil.

“Uma das razões pelas quais estamos trabalhando com o CHAP é que possamos obter a análise laboratorial completa da assinatura multiespectral da lesma”, disse.

 

Fonte: Ag Evolution