+55 (45) 3529-2045 plataformasri@pti.org.br

Campanha do Sebrae ajuda microempreendedores individuais a se reinventarem na crise

08/06/20
sri_adm

Campanha do Sebrae ajuda microempreendedores individuais a se reinventarem na crise

A recém-lançada campanha “MEI. Reinvente. Repense. Recrie” já traz frutos de sucesso, com casos de microempreendedores que transformaram a forma de gerar renda usando informações disponibilizadas pelo Sebrae. A página lançada com conteúdo específico para os MEI acumula 250 mil acessos em todo o país desde seu lançamento, no dia 18 de maio.

Os microempreendedores individuais podem conferir diversos cursos on-line gratuitos, lives, palestras, oficinas, consultorias especializadas, divulgação de cases de sucesso na crise, textos, cartilhas e e-books com dicas de temas voltados para mercado, finanças e legislação, crédito, marketing e vendas, e materiais para segmentos específicos. Por meio do portal é possível receber notificações sobre novidades por WhatsApp e acessar os principais canais de contato do Sebrae em cada estado para tirar dúvidas, receber orientações e realizar consultorias especializadas. A página pode ser acessada no link.

Diversos paranaenses têm aproveitado a campanha do MEI para se capacitar e profissionalizar o negócio ou até mesmo para mudar completamente a sua área de atuação e atender uma nova oportunidade no mercado.

Reginaldo Aparecido Leme, que trabalhava com excursões na região de Londrina, passou a se dedicar à venda de verduras durante a crise. Crédito: Divulgação

Esse é o caso do microempreendedor individual Reginaldo Aparecido Leme, de Londrina. Ele teve que interromper, no dia 15 de março, suas corridas como motorista de aplicativo e pequenas excursões para atrativos turísticos da região, como parques aquáticos e santuários. Com o novo cenário ele decidiu se lançar em um novo empreendimento e vender verduras.

Leme delimitou uma área para realizar as entregas, devolveu o carro locado que utilizava em suas viagens e decidiu financiar um veículo utilitário para trabalhar no novo negócio. “Antes de começar, eu liguei para o Sebrae para validar a ideia e fui incentivado a seguir em frente”, conta. Além da Ceasa, buscou bons fornecedores de hortaliças, frutas e legumes locais para oferecer uma maior variedade de produtos aos clientes. “Hoje, com a demanda crescente, distribuo os alimentos no período da manhã e da tarde e vendo para lanchonetes e restaurantes”, afirma.

O empresário divulgou o negócio no tradicional “boca a boca” e, contente com os resultados, já planeja criar uma linha fixa de produtos e um sistema de delivery para fidelizar a clientela. Para expandir seus negócios, ele diz que voltará ao Sebrae para buscar consultorias que o ajudem a analisar os custos e a precificação do serviço. “Quero fazer tudo com os pés no chão. Tenho a preocupação em fazer bem feito. Trato o alimento com muito amor e carinho”, pondera, ressaltando que pretende manter o novo negócio com as excursões após o fim da pandemia.

Maria Cristina Scheidt, dona de uma pousada na Ilha do Mel, paralisou os serviços há mais de 60 dias. Desde então, tem se dedicado a divulgar o negócio nas redes sociais. Crédito: Divulgação

Já no litoral do estado, mais especificamente na Ilha do Mel, Maria Cristina Scheidt é a dona de uma pousada que paralisou os serviços há mais de 60 dias e que tem procurado transformar sua atuação para amenizar os efeitos da crise. Para manter a proximidade com os clientes, decidiu criar páginas nas redes sociais com informações sobre seu negócio. Ela avalia que a iniciativa pode ajudar a conseguir novos clientes.

“Trabalho nesse ramo há 30 anos, nunca vivi uma crise como essa. Nunca tivemos que fechar a pousada por tanto tempo. Mas há males que vem para o bem. Eu cresci com isso, iniciei nossa atuação nas redes sociais e espero que ajude na divulgação da nossa pousada”, afirma Maria Cristina.

A microempresária revela que é uma espectadora cativa das lives com convidados oferecidas pelo Sebrae, além de já ter feito cursos e consultorias. Ela afirma que pretende utilizar o conhecimento adquirido para impulsionar seus negócios ao final da pandemia.

“O Sebrae sempre foi nosso parceiro. Agora, que estamos sem funcionar, isso ficou ainda mais claro. Sempre que posso assisto as transmissões ao vivo. Fiz um curso de gestão financeira, já realizei consultorias e agora quero pegar dicas de como atuar nas redes sociais para chamar atenção dos clientes para a nossa ilha. Espero que a situação seja normalizada logo e possamos voltar a receber as pessoas”, declara.

Para a consultora do Sebrae/PR, Patrícia Albanez, os empresários devem entender que o mercado e a forma de consumir produtos e serviços mudou. Segundo ela, é importante que o empreendedor conheça as novas oportunidades que estão surgindo e atenda a essas demandas.

“É muito importante que eu olhe para o que eu faço, entenda o que o cliente precisa e utilize a criatividade para pensar em novas possibilidades. Além disso, esse é o momento de pensar na adaptação dos serviços para oferecer mais segurança para o cliente e comunicar isso de forma clara. E dentro desse cenário, para que o empresário possa inovar, é preciso que ele se capacite e consuma conteúdos de qualidade para seus negócios”, destaca.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa Sebrae