+55 (45) 3529-2045 plataformasri@pti.org.br

Instituto Militar de Engenharia e PTI alinham projeto de segurança cibernética

27/09/19
sri_adm

Instituto Militar de Engenharia e PTI alinham projeto de segurança cibernética

[soundcloud url=”https://api.soundcloud.com/tracks/686203831″ params=”color=#ff5500&auto_play=false&hide_related=false&show_comments=true&show_user=true&show_reposts=false&show_teaser=true” width=”100%” height=”100″ iframe=”true” /]

Técnicos do Instituto Militar de Engenharia (IME) estão visitando nesta semana o Parque Tecnológico Itaipu (PTI) para dar continuidade ao trabalho de construção do projeto que prevê um laboratório de segurança cibernética no Parque, podendo contribuir no processo de atualização tecnológica da Itaipu Binacional.

Segundo o diretor superintendente do Parque Tecnológico Itaipu, general Eduardo Castanheira Garrido Alves, a vinda dos técnicos do IME está alinhada à proposta do Parque pela busca da sustentabilidade, podendo oferecer novos produtos e serviços ao mercado.

“Nós estamos num processo de finalização do planejamento estratégico, a partir daí vamos estar trabalhando numa busca pela sustentabilidade do nosso Parque Tecnológico, a redução da dependência que nós temos da nossa mantenedora e as parcerias são fundamentais nesse processo na busca por novas fontes de receita, na busca por inovações que nos permitam oferecer novos produtos e serviços. Então eu vejo que a visita do Instituto Militar de Engenharia faz ao nosso Centro de Estudos Avançados em Proteção de Estruturas Estratégicas (Ceape²) está bem alinhado com essa proposta que o nosso Parque Tecnológico pretende implementar a partir de agora”, destacou o general.

O projeto do laboratório de segurança cibernética faz parte do acordo tripartite entre a Itaipu, o Parque Tecnológico e o Exército Brasileiro e está em fase de planejamento. A previsão é de que até o ano que vem esteja em funcionamento. Até lá, o Centro de Estudos em Proteção de Estruturas Estratégicas do PTI está capacitando equipe técnica em segurança cibernética e avançando as discussões sobre as etapas do projeto.

De acordo com Gilson Herminio Rocha Junior, do Ceape², a participação do IME neste processo é fundamental para o desenvolvimento do laboratório. “Os técnicos estão aqui presentes para desenvolver com a gente um Laboratório de Segurança Cibernética, visando treinamento de recursos humanos e visando testes em material. A ideia é proporcionar uma segurança cibernética à usina, e possibilitar não só a Itaipu, mas a outras usinas hidrelétricas brasileiras, recomendações de segurança”, avaliou.

Fonte: PTI