+55 (45) 3529-2045 plataformasri@pti.org.br

Unioeste inaugura Laboratório de Energia Solar Fotovoltaica tipo Estacionamento

24/09/19
sri_adm

Unioeste inaugura Laboratório de Energia Solar Fotovoltaica tipo Estacionamento

Hoje (23) a Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) inaugurou o primeiro Laboratório de Energia Solar Fotovoltaica tipo ‘Estacionamento’ da Unioeste. Fruto da parceria entre a empresa fornecedora de Painéis Fotovoltaicos Biowatts de Cascavel e da Unioeste.

O laboratório tem a capacidade de gerar 2.900kWh, o que corresponde a uma economia de R$ 2.320,00/mês na conta de energia da Universidade. O evento faz parte das atividades em comemoração aos 40 anos do Curso de Engenharia Agrícola da Unioeste, com participação dos Programas de Mestrado e Doutorado em Engenharia de Energia na Agricultura. A programação incluiu uma palestra sobre Energias Renováveis, ministrada pelo Vitor Hugo Teixeira, representante da Biowatts, e em seguida, a inauguração do Laboratório no Estacionamento do campus de Cascavel.

O pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação, professor Reginaldo Ferreira dos Santos, explica que tudo se deu a partir da parceria com a Universidade do Chile. Assim, realizaram um simpósio de Energia Solar Fotovoltaica, que além de unir empresa e universidade, pode trazer uma outra visão acerca das fontes renováveis e geração de energia. “Passamos a ter o maior parque de energias renováveis do mundo. Além das hidrelétricas, o país é promissor nas áreas de álcool, biodiesel, biogás, eólicas, biomassa e a agora temos o mais recente e pujante parque solar”.

Segundo o coordenador geral do Núcleo de Inovações Tecnológicas – NIT,  Selmo José Bonatto, esta iniciativa partiu da necessidade de se criar um projeto, em conjunto com os cursos de Engenharia Agrícola, do Mestrado e Doutorado em Engenharia de Energia na Agricultura e Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa. “O objetivo é gerar energia elétrica a partir dos painéis fotovoltaicos, unindo ensino, pesquisa, extensão, capacitação, inovação e empreendedorismo, para criar ambientes de convivência, estacionamentos e outros espaços que possam servir a comunidade”.

Na ocasião, o reitor Paulo Sérgio Cascá agradeceu todos os envolvidos no projeto. “É um projeto que além de trazer um laboratório e desenvolvimento pra nossa universidade, também integra e envolve muitos alunos, agentes universitários, professores e principalmente o pessoal da comunidade externa.”

Alexandre Weber, diretor geral do campus de Cascavel, afirma que a partir desse laboratório a Unioeste tem uma grande possibilidade de resolver seu problema de custeio a partir da produção de energia fotovoltaica. “Essa parceria com a iniciativa privada é fundamental porque além de gerar energia limpa, gera pesquisa.”

Pedro Tochetto, CEO da Biowatts, diz esperar bons profissionais que possam colaborar com um mercado maior, mais sólido e mais sério. “A ideia de todas as indústrias envolvidas é trazer conhecimento, melhorar o campus acadêmico na condição de trazer mais tecnologia, trazendo esse sistema. Pra nós é uma gratidão enorme participar disso.”

Sérgio Polesso, diretor da PHB, outra empresa parceira, afirma que desde o início a empresa sempre se interessou em participar desses projetos com universidades. “Pra mim, o resultado mais importante é formar gente capacitada. Esse nosso mercado fotovoltaico é muito jovem no Brasil porque não existem muitas pessoas qualificadas. Essas pessoas que vão ser formadas aqui, futuramente podem estar trabalhando conosco e com certeza muitos vão virar concorrentes porque vão encontrar no mercado uma grande oportunidade de negócios.”, finaliza.

Gustavo Tegon, representante da Jinko Solar, mais uma empresa parceira, parabenizou a Unioeste pelo projeto, proporcionando conhecimentos e agregando várias empresas para que esse setor seja desenvolvido. “Talvez esse seja o setor que mais cresce no Brasil e é um setor que implora por profissionais. É muito importante poder ver essa nova formação estudando o mercado e tendo consciência das oportunidades, que são imensas.”

 Outros projetos

Segundo o Engenheiro Mecânico, Carlos Mota, responsável pelo Projeto de Mobilidade Urbana, com o uso de carro elétrico, “a Universidade entende neste momento que há uma transição tecnológica acontecendo nos setores de energia, transporte e mobilidade, evolução do processo de substituição de combustíveis fósseis e desenvolvimento de uma economia de baixo carbono”.

Prova disso, foi a realização do Simpósio de Energias Renováveis e Congresso de Energia Fotovoltaica promovidos pela Unioeste no Campus Cascavel. Entende-se também que a matriz energética do transporte e da mobilidade vem migrando rapidamente para a energia elétrica em muitos países desenvolvidos, e há países apostando em se beneficiar desse processo, como China, Finlândia, Suécia, Portugal, Estados Unidos entre muitos outros.

Ciente disso, e reconhecendo que parte do custo de produção da região é diretamente representado pelo transporte, e que a eficiência da mobilidade urbana impacta diretamente na produtividade e na qualidade de vida das pessoas, a Unioeste, cujos cursos de Mestrado e Doutorado em Energia na Agricultura já contribuem para a formação de pesquisadores e professores que por sua vez enriquecem a massa crítica e a mão de obra da região, entende que pode somar esforços com empresas e instituições para, através do desenvolvimento de soluções em mobilidade sustentável, proporcionar projetos de retrofit (conversão) de veículos a explosão para elétricos, que envolverão pesquisadores e alunos, empresas e usuários, fornecedores de tecnologia e equipamentos, além de outras instituições de pesquisa.

 “Isso permite que outras empresas nos enxerguem também. Já temos cinco alunos de mestrado/doutorado ligados na área do desenvolvimento do carro elétrico. A prefeitura de Cascavel também está adquirindo carros elétricos e precisará fazer testes em mobilidade urbana, e como Universidade também procuraremos ter um aditivo em nosso convênio com a Fundetec para continuar as atividades para proporcionar a nossa cidade que tenhamos essa mobilidade elétrica”, conclui o professor Reginaldo.

Na ocasião, Alcione Gomes, presidente da Fundetec, afirma que o município tem uma demanda grande de projetos então uma maneira rápida e eficiente é a parceria com a Unioeste. “Os dois carros elétricos adquiridos, serão utilizados para um piloto dentro do município de Cascavel para um estudo de viabilidade técnica e econômica. A expectativa são 10 estações instaladas pela cidade em até 60 dias.”, finaliza.

Fonte: Central de Notícias da Unioeste